Notícias de Beleza

'Quimioterapia e Beleza': ex-modelo cria projeto com dicas de beleza para mulheres com câncer

Ao ser diagnosticada com câncer de mama, Flávia Flores, 35 anos, resolveu transformar uma das fases mais difíceis de sua vida em um grande projeto

flavia-flores abre ok

"Se alguém falar que lidou super bem com o diagnóstico de câncer, não vou acreditar. Porque eu chorei, descabelei, pensei que fosse morrer". Quem escuta esta frase quase não acredita que ela saiu da boca de Flávia Flores. No final de 2012, a ex-modelo de 35 anos foi diagnosticada com um câncer de mama agressivo. Fez mastectomia, perdeu o cabelo, os cílios, o namorado, mas não a vontade de ficar bonita. Por isso, criou uma página no Facebook batizada de "Quimioterapia e Beleza", com dicas de maquiagem, nutrição e lifestyle para mulheres que, assim como ela, estão passando pelo tratamento contra a doença. E tudo com clima alto-astral. A página deu origem a um blog, com o mesmo nome.

Quem visita a fanpage e assiste aos vídeos de Flávia, não consegue imaginar a catarinense numa versão pessimista ou mal-humorada. “Tem dias que o corpo pede pra ficar na cama, quietinha. E eu obedeço. Mas de baixo-astral eu não fico”, conta ela em entrevista exclusiva para Marie Claire.

Durante a conversa, Flávia conta como descobriu o câncer, sua reação inicial diante da doença e como surgiu a ideia (inédita) de desenvolver um projeto totalmente dedicado a autoestima de mulheres que estão passando por tratamento contra o câncer.

favia-flores look-quimio ok

Marie Claire: Como era a sua vida antes de descobrir que estava com câncer?
Flávia Flores:
 Eu morava sozinha em São Paulo há sete anos, estava me recuperando de uma separação difícil, um relacionamento de seis anos. Não sabia se permanecia na cidade ou voltava para perto da minha família, em Florianópolis, com o meu filho, Gregório, que hoje tem 20 anos [Flávia ficou grávida na adolescência]. Aí apareceu uma oportunidade de começar um projeto, em uma nova empresa. Decidimos que Gregório ficaria em Floripa e eu, em São Paulo, tocando esse trabalho para ver no que dava.

M.C.: Como descobriu a doença?
F.F.:
 Durante o banho, fiz o autoexame e percebi um carocinho no seio esquerdo. Foi fácil detectar porque sempre fui magra e, juro, um dia antes não tinha nada. De repente, estava lá, um nódulo. Fui ao médico e ele disse para não me preocupar pois, por ter aparecido repentinamente e ser grande, aquilo devia ser resultado de uma batida ou glândula inflamada. Em seguida, fiz a mamografia e foi detectado que minha prótese de silicone estava rompida. Então, o médico propôs que trocássemos as próteses e tirássemos o tal caroço. Eu nem lembrava mais da existência daquilo no meu corpo. Fiz a operação e, 10 dias depois, saiu o resultado da biópsia: estava com um tipo agressivo de câncer de mama.

M.C.: Como reagiu à notícia de que estava com câncer de mama?
F.F.:
 Eu não conseguia respirar! Fiquei dez dias de cama, só chorava, desejava morrer. E não queria nem ouvir falar sobre quimioterapia. Pensava que meu cabelo cairia, que perderia sobrancelhas, cílios, formas do corpo, que ficaria pálida, sozinha e que as pessoas se afastariam de mim. Não queria passar pelo tratamento de jeito nenhum, afinal, já tinha tirado o carocinho, não tinha mais nada no meu corpo. Foi muito, muito difícil. Fora que eu nunca tinha tido contato com ninguém com câncer. Tive casos na família, mas eram pessoas que moravam longe, então eu não senti a situação de verdade. Mas tive muita força da minha mãe e do meu filho. O Gregório dormiu comigo nos primeiros dias, disse que tudo iria passar, que depois do tratamento eu ficaria boa. E eu acreditei nele. Quem não reagiu nada bem foi o meu ex-namorado, que me largou.

flavia-flores perucas ok

M.C.: Como assim? Ele te abandonou por causa do câncer?
F.F.: 
Sim. Quando contei que estava com câncer, ele me deu força, disse que iríamos passar juntos por tudo aquilo, e eu acreditei, claro. Ele foi até Florianópolis comigo, ficou ao meu lado depois que fiz a mastectomia e, no domingo seguinte, pegou o voo para São Paulo para trabalhar. Depois disso, ele me bloqueou nas redes sociais e nunca mais atendeu às minhas ligações. Não sei se foi porque eu iria ficar sem cabelo ou porque ficou com medo da responsabilidade de me acompanhar durante ou tratamento ou se fui chata em algum momento. Eu não entendi direito, mas coloquei na minha cabeça que tinha que ficar perto da minha família, cuidar da minha vida, da minha saúde, dos meus projetos.

M.C.: E você conseguiu se relacionar com outros homens depois?
F.F.:
 Sim, estou namorando e muito feliz! No dia 21 de dezembro de 2012, postei um vídeo em que raspo a cabeça e um amigo de Facebook, o Ricardo, comentou que eu estava linda. Contei pra ele que aquilo era resultado de um câncer e começamos a conversar virtualmente. Aí eu fui para São Paulo, nos encontramos e ficamos. Passamos Ano Novo juntos, Carnaval. Aliás, foi quando eu postei uma foto de biquíni, na praia, que as pessoas começaram a perguntar se eu podia tomar sol, quais os cuidados que uma pessoa com câncer tinha que ter na praia. E eu passei a postar mais vídeos e dicas, a levar o projeto mais a sério.

flavia flores design grafico tatuagem de henna

M.C.: Quando decidiu criar a fanpage e o blog “Quimioterapia e Beleza? Usou algum blog ou página da internet para se inspirar?
F.F.: 
Criei a fanpage em dezembro de 2012, no dia da minha primeira quimioterapia, porque as pessoas ao meu redor não sabiam como lidar com a situação. Imagina ter que conviver com alguém que fica se vitimizando o tempo todo? Não dá, né!? E eu percebi que meus amigos começaram a se afastar e não era por mal. O meu objetivo era quebrar o gelo e mostrar como era a minha rotina. Ao mesmo tempo, como eu sempre trabalhei com moda, tinha medo de o mercado não me aceitar depois do tratamento. Então, comecei a procurar maneiras de ficar bonita e não achei nada. O jeito foi descobrir sozinha. Hoje tem dicas de como amarrar o lenço, truques de maquiagem para melhorar a aparência, informações nutricionais, que peguei com a minha médica. Até inventei ensaios fotográficos especializados para mulheres que fazem quimioterapia, coisa que não existia.

M.C.: Em todos os textos e vídeos, você transmite muita alegria e alto-astral. Em quais momentos é mais difícil colocar um sorriso no rosto?
F.F.: 
O câncer é uma das doenças que mais deprimem o paciente, principalmente por causa da quimioterapia, que realmente debilita, enfraquece. Nesses dias, eu posto meu look, quem vai me levar e me buscar até o hospital, essas coisas. E fico na cama, porque o corpo pede pra você não sair de lá. Assisto filmes, fico com meu cachorro, meu filho, minha mãe. De baixo-astral eu não fico, porque vejo as pessoas curtindo, compartilhando minhas informações, escrevendo que seguiram minhas dicas ou, dando uma nova dica, e acho muito legal!

flavia-flores praia ok

M.C.: Durante todo esse processo, o que mais alterou sua autoestima?
F.F.:
 Raspar a cabeça e tirar os meus seios. Eles são a moldura de uma mulher e foi difícil me aceitar deste novo jeito. Eu coloquei próteses de silicones próprias para quem fez mastectomia, mas elas não ficam tão bonitas, são um pouco incômodas e vou ter que esvaziá-las quando começar a radioterapia. Hoje já tenho dois milímetros de cabelo e consigo sair de casa sem peruca ou lenço. Mas eles são artifícios para eu criar um personagem novo todo dia e me divertir com isso.

M.C.: Você conseguiu unir dois assuntos muito antagônicos, quimioterapia e beleza. O que diria para as pessoas que afirmam que cuidar da beleza é futilidade?
F.F:
 Devemos passar pelo tratamento da melhor maneira possível e, se essa maneira for cuidando da beleza e da autoestima, por que não? As mulheres que estão com câncer de mama têm que ter consciência que o tratamento é temporário: vai começar e vai acabar. Então, nesse período, vamos fantasiar todos os dias, porque tudo fica mais fácil e faz bem!

M.C.: Quais são seus projetos profissionais para o futuro?
F.F.:
 
Pretendo lançar, quem sabe, um livrinho, algo parecido com um manual prático da quimioterapia e beleza. Cerca de 50 mil mulheres por ano são diagnosticadas com câncer de mama no Brasil, imagine você poder presentear alguém com uma publicação dessa, para levantar a autoestima? Também tenho o site, os vídeos. Estou à procura de um patrocinador, mas o que posso dizer é que tudo o que aconteceu comigo se transformou num grande projeto de vida.